Parque Estadual do Guartelá

 

img_1075Parque Estadual do Guartelá está incluído no município de Tibagi/PR, Bairro Guartelá, possui 798,97 hectares gerenciado pelo IAP – Instituto Ambiental do Paraná – embora tenha alguns animais (lobo-guará, jaguatirica, veado, capivara, tamanduá bandeira, macaco bugio, papagaio-de-cara-roxa  e gavião), são raramente vistos. Ficando como principal atrativo as trilhas dentro do Parque, cascatas, canyon do rio Iapó, pinturas rupestres, cachoeira da Ponte de Pedra (aproximadamente 180m. de altura), e o Córrego Pedregulho, que forma cascatas e “banheiras” naturais. A vegetação é composta por campos remanescentes de cerrado, florestas de araucárias com características pertencentes a Mata Atlântica. Dentro do Parque são 2 as possibilidades de trilhas.

Como Chegar ao Parque.
Carro – O Parque Estadual do Guartelá fica na Rodovia PR-340, quilômetro 42, no município de Tibagi e do centro da cidade até a entrada do parque são 18km. de asfalto e à partir do portal do parque mais 1,5km. em estrada de terra ladeada por campos de trigo.
Ônibus – Há duas linhas de ônibus que passam em frente ao Parque: Viação Iapó, partindo de Ponta Grossa (PR) e Viação Princesa do Norte partindo de Curitiba (PR).img_1031
Horário de Funcionamento.
O Parque está aberto das 08h. às 18h., sendo que o horário limite para entrada é às 16h.30, de quarta-feira a domingo e feriados. Grupos com mais de 30 pessoas devem ser agendados previamente no fone 0800 643 1388. Excelente pessoal no receptivo do parque.

Taxa – a entrada no Parque é gratuita, somente para a trilha de visitação às pinturas rupestres é necessário contratar um guia.

Trilhas (2) – Básica e Pintura Rupestre

 (1) TRILHA BÁSICA (autoguiada)
Grau de dificuldade – fácilimg_1045
Percurso5km. (ida e volta)
Tempo de percurso – 3h.
Pontos de interesseMirante do Cânion  do Guartelá, Cachoeira Ponte de Pedra, Panelões Sumidouro no Arroio Pedregulho – único local permitido para banho, os panelões tem a profundidade de 1,50m.
Horário – o horário limite para começar a trilha é às 16h30. img_1033
Considerações da trilha – a partir do centro de recepção a trilha tem 1,5km. de piso com calçamento, descida íngreme (cansativa na volta). Terminado o calçamento há uma propriedade particular, depois dela começa uma trilha sombreada, seguindo sem sombra sobre piso de madeira em forma de ponte de pequena altura para isolar a umidade do solo. Não muito longe há uma bica com água potável e fresca, aproveite para repor o squize.
A idade mínima recomendada é 6 anos.

A primeira parada é nos panelões e corredeiras, local permitido para banhos. A água do Arroio Pedregulho passa por debaixo da pequena ponte e em corredeiras chega aos buracos cavados de forma natural chamados de panelões, um deles com 1,5m. de profundidade o banhista entre e sai com ajuda de uma corrente.

img_1059

A água é bastante fria e aqui estão guarda parques supervisionando o local. Depois do banho nos panelões a trilha continua por piso de madeira até a bifurcação, à direita é mais longa e vai até a Cachoeira da Ponte de Pedra, para chegar até ela o trajeto é feito sobre pedras em terreno acidentado, há setas verdes no solo indicando a direção, depois de transpor as grandes pedras a trilha sofre um estreitamento e começa a descer. Antes de chegar ao final da trilha há um local com banco e cobertura para descanso e observação da cachoeira à distância, ela é formada por várias quedas d’água e no final está atravessada por uma ponte de pedra, por ser um local de difícil acesso a chegada até a ponte está proibida. Excelente local para fotos.
img_1074

img_1077
Retorno para a bifurcação e agora a tomada é pelo lado esquerdo onde há um amplo belvedere com vistas para o cânion com laterais cobertas por vegetação e ao fundo corre o rio Iapó (afluente do rio Tibagi que desemboca no rio Paranapanema que por sua vez desagua no rio Paraná).
img_1079
Ao voltar, chegando aos panelões, se estiver muito cansado peça ao guarda parque para entrar em contato com o receptivo que eles enviam um carro até o início da trilha onde tem a propriedade particular, mas lembre-se, só é possível se tiver mais de 60 anos, com crianças pequenas ou algum problema de locomoção.

(2) TRILHA DAS PINTURAS RUPESTRES (com guia de turismo autorizado pelo parque ou contratado em operadora legalizada pelo município de Tibagi).
Grau de dificuldade – fácil
Percurso – 7,5km. (ida e volta)
Tempo de percurso –  3h.30 a 5h.
Pontos de interessepinturas rupestres, Mirante do Cânion do Guartelá, Cachoeira Ponte de Pedra, Panelões do Arroio Pedregulho – único local permitido para banho.
Considerações sobre a trilha – Para preservação das pinturas rupestres com cerca de 7 mil anos contidas no sítio arqueológico esta visita só pode ser feita com guia, o local é aberto para 40 visitantes/dia e os grupos comportam no máximo 10 pessoas, os horários são pré-fixados: 8h.30, 9h.30, 13h.30 e 14h.30. Em dias de chuva esta visita é suspensa. O trecho até os panelões é o mesmo da Trilha Básica, depois é só atravessar a ponte sobre o Arroio Pedregulho e seguir com o guia em direção a Lapa Ponciano.  Na volta o guia faz o percurso mostrando os panelões, cachoeira Ponte de Pedra, mirante do canyon e trilha do gavião. A idade mínima para participar da trilha é de 8 anos.
Horário  – o horário limite para começar a trilha é às 16h30.
image001

Lanches
Não há lanchonete no local, mas o visitante pode dirigir-se até o Capão, que está perto da propriedade particular a 2km. do Centro de Visitantes e vai encontrar sanitários, água potável, poderá descansar e tomar o lanche que tenha levado.

Recomendável
água, roupa para banho caso pretenda entras nos panelões, protetor solar, repelente de insetos, chapéu ou boné, calçado apropriado para as trilhas, lanche, não há lanchonete ou restaurante no parque.
img_1067

Observações
Cadastrar-se no Centro de Visitantes é garantia de socorro em emergências e não se esqueça de avisar na Administração que já retornou da trilha, é importante para o controle dos guarda parques;
Na Trilha Básica há um local com água potável devidamente identificado;
O parque oferece um veículo de apoio para maiores de 60 anos, gestantes, crianças de colo com acompanhante, pessoas com necessidades especiais ou com algum problema de saúde;
Caminhe sempre pela trilha para evitar dano ao meio ambiente;
O sinal de celular é instável;
Tem uma trilha criada especialmente para cadeirantes que dá acesso ao Mirante;
Estacionamento gratuito com vagas não cobertas;
Leve saco plástico e traga seu lixo de volta;
O Parque conta com uma equipe de voluntários que monitoram as trilhas e os orientam durante sua visita;
Proibida entrada de animais domésticos, coleta de espécies arbóreas, uso de bebidas alcoólicas.
img_1056
Considerações pessoais.
Excelente atendimento no Centro de Visitantes fomos recebidos pelo Roberto que nos orientou de forma adequada; pessoal bem preparado.
Muito positivo o fato de ter um carro de apoio gratuito para aqueles que não tem condições físicas para o retorno até a Sede.
A área de visitação do Parque não é grande, está muito bem cuidada.
Somente não achei interessante o fato de que a trilha vai e volta pelo mesmo trajeto, talvez não tenha sido viável tecnicamente montar trechos alternativos, mas ficaria muito mais atraente.
Para quem vai fazer as 2 trilhas em dias diferentes acaba repetindo o mesmo trecho até os “panelões” nos 2 dias.
Talvez por termos feito o passeio após o almoço, não vimos sequer um pássaro.

Para esportes radicais como: rafting, cascading, trilha cachoeiras, arvorismo e bóia cross procure informações com a www.tibagiturismo.com.br, em Tibagi há várias agências todas ligadas ao eco turismo.

TIBAGI/PR

Como chegar
Partindo de São Paulo pela SP 270 (Rodovia Raposo Tavares) até a SP 258 (Rodovia Francisco Alves Negra) logo após a entrada da cidade de Itapetininga (que passa a ser denominada de PR 151 após a entrada no Estado do Paraná) até a cidade de Arapoti ; de Arapoti a Ventania pela PR 090 (Estrada do Cerne) e de Ventania a Tibagi pela BR 153, a 45 km do trevo.
Onde ficar em Tibagiimg_1008
Para visitar o Parque Estadual de Guartelá, a melhor opção é hospedar-se em Tibagi.
Hotel Formigas na Figueira
Localização – Praça Leopoldo Mercer, 70 – fone (42) 3275.1842 – hotelformigas@gmail.com
Acomodações – SUITE com 1 Cama king size e 1 cama casal, a/c frio, TV 32 polegadas de LCD, Ante sala: 1 Sofá bi cama, mesa redonda com 2 cadeiras, TV 14 polegadas, ventilador, frigobar. Banheiro e varanda com vista para a praça.
APARTAMENTO PREMIUM – 1 cama casal, Com banheiro, TV 32 polegadas de LCD,frigobar, 1 cama box queen, 1 cama box de solteiro, a/c quente/frio.
APARTAMENTO SUPERIOR – 3 camas box de solteiro podendo ser transformado em cama de casal, banheiro, frigobar,ventilador, TV de 14 ou 20 polegadas.
Check-in após 14h (horário antecipado c/disponibilidade de apartamento).
Check-out até 12h.
Café da manhã – 7h às 10h de segunda-feira à sexta-feira e das 7h30 às 10h30 nos sábados, domingos e feriados.
Estacionamento, café da manhã incluído, wi-fi, piscina externa, sala de jogos

Outros locais de hospedagem:
Hotel Itagy (42)3275.1373
Pousada das Alamandas (42)3275.3015
Pousada das Palmeiras (42)3275.1103
Katito Hotel (42) 3275.2980
Hotel Almeida (42) 8870.9924
Pousada Beija Flor (42)3275.1889
Camping e Chalé Águas Vivas (42)3275.1357

Onde comer
Foram os tropeiros que deram origem as comidas típicas desta região, a paçoca de carne era usada como refeição por aqueles que se aventuravam durante 15 a 20 dias para chegar ao destino. Também muito consumida era a quirera com costelinha de porco e o quibebe. Como Tibagi foi sede de uma das primeiras fábricas de polvilho, o bolo de polvilho é bem tradicional.
img_1006
Cia. do Sabor
Restaurante e Pizzaria
LocalizaçãoPraça Leopoldo Mercer esquina com Cel. Frederico Martins, 84
Prefira jantar uma pizza, o almoço no sistema buffet é bem fraco. A cidade oferece poucas opções de restaurantes, a Cia. do Sabor fica na área central e por isso é mais prático e perto, mas a comida é razoável.
Bar do Enio
Localização – Rua Herbert Mercer, 763
Um dos poucos lugares que permanece aberto nos finais de semana, não é central, mas se quiser um lanche ou uma cerveja gelada, este é o local. Tem mesas externas

Restaurante e Lanchonete Antunes
Localização – Rua Herbert Mercer (anexo ao Bar do Enio)
Restaurante simples, com sistema self-service/kilo. Poucas opções, comida razoável.

Outros locais
Restaurante e Lanchonete Cristal
Restaurante Veneza
Restaurante O Tropeiro
Ristorante Nono Guiuseppe (Itaytyba Ecoturismo)
Restaurante e Lanchonete Varandão
Restaurante Água na Boca
Restaurante e Bar Itagy
Restaurante e Lanchonete Avenida
Lanchonete e Sorveteria Casa do Bentinho
Lanchonete Batata da Hora

CENTRO HISTÓRICO DE TIBAGI

Museu Histórico Desembargador Edmundo Mercer Júnior (séc. 19).
img_0976
Localização – Praça Edmundo Mercer, 52, Tibagi – 84300-000 – fone: (42) 3916.2189 – museu@tibagi.pr.gov.br. No centro da cidade, pode ser acessado á pé.
Horário – terça à sexta, das 8h às 11h.30 e das 13h. às 17h.30, sábados e domingos das 9h às 11h.30 e das 13h30 às 17h.
Interesse – Também conhecido como Museu do Garimpo conta o ciclo do diamante, posui 5.400 peças distribuídas em 9 salas que mostram os costumes da época, colonização, personagens e fatos curiosos e importantes da história. No hall de entrada está a homenagem a Edmundo Mercer Júnior, depois livros e documentos antigos, Sala do Garimpo, Salão de Fotografias, Sala Histórica, Sala dos Talentos Musicais, Sala Indígena, Sala Fatos do Passado, Sala Usos e Costumes.

Palácio do Diamante – Prefeitura do Municipio de Tibagi –  (1915)
img_0981

Localização – Praça Edmundo Mercer, no centro da cidade, pode ser acessado à pé.
Horário – funciona das 8h. às 17h.30, não há horário de visitação porque ali funciona a Prefeitura Municipal, mas o prédio pode ser visto externamente a qualquer horário
Interesse – Devido algumas alterações a arquitetura é eclética, a construção inicial data da década de 30 sob o comando dos Padres Redentoristas que ali se instalaram por 50 anos, pertencia a diocese de Ponta Grossa e após negociação foi permutada para que o prédio continuasse sendo mantido e ocupado pela Prefeitura Municipal de Tibagi.

Praça Edmundo Alberto Mercer
Toca Mercer
(Bandeirante Paranaense)
img_0997
Localização – Centro da cidade de Tibagi
Horário – aberta ao público
Interesse – O nome da praça é uma homenagem a Toca Mercer, nascido em Tibagi em 1878 e falecido em 1938, foi agrimensor, sertanista, vereador, prefeito e deputado estadual pelo Paraná. Um interessante e tradicional coreto está instalado no centro da praça que tem seu traçado conforme os pontos cardeais.

Casa da Cidade – Centro Cultural – (década de 20)
img_0983

Localização – Rua dos Padres Redentoristas
Horário – das 8h. às 17h;
Interesse – foi construída inicialmente para abrigar o mercado municipal que não chegou a se efetivar, tempos depois foi ocupada pela prefeitura municipal e atualmente é um espaço cultural que abriga em 12 salas com 16 oficinas de arte, dança e música para 600 alunos. Veja no calendário de eventos se sua visita coincide com alguma apresentação do Conservatório Musical. Há pouco tempo revitalizado, funciona no local o Teatro Municipal Tia Anália.

Caixa D’água
img_0986

Localização – Rua Coronel Telêmaco Borba
Horário – vista externa
Interesse – A primeira construção foi sobre um poço de água já perfurado e a obra foi concluída no ano de 1915. Serviu como abastecimento de água para os munícipes de Tibagi entre os anos de 1915 a 1974, desde então veio crescendo o interesse histórico por esse local e ele foi restaurado em 1985.

Centro Cultural Dr. Laurentino Bittencourt Mercer (1915)
Historiador Luiz Leopoldo Mercer (1.915)
img_0991

Localização – Praça Edmundo Mercer, 60
Horário – de segunda a sexta das 8h. ás 17h.30
Interesse – Espaço cultural que abriga a Biblioteca Municipal, já foi o Grupo Escolar Telêmaco Borba, uma construção imponente no centro da cidade de Tibagi que não passa despercebida aos visitantes, não só pela sua arquitetura como pela sua cor rosada, talvez o local mais interessante para fotos juntamente com a Caixa D’água.

Igreja Matriz Nossa Senhora dos Remédios (reinauguração 1943)

Localização – praça central de Tibagi
Horário
Interesse – sua construção foi sobreposta em uma capela de 1836 sob orientação da Congregação do Santíssimo Redentor dos Padres Redentoristas, a atual igreja é a terceira neste mesmo local. A arquitetura lembra o movimento artístico renascentista com vitrais e colunas. São marcas deixadas pela colonização européia que transitou nesta região.
img_1003
Monumento Movimento das Àguas do Tibagi (1996)
Localização – Praça Edmundo Alberto Mercer, centro
Horário – praça aberta ao público
Interesse – Fonte luminosa encravada no centro da Praça Edmundo Alberto Mercer, no seu entorno estão reproduzidas gravações em baixo relevo com a história étnica cultural de Tibagi.

Museu Casa do Colono (séc. XX)
Localização – saída para o Distrito Industrial, Parque Ecológico Passo do Rissetti,
Horário – terça a domingo com entrada franca. Fone: (42) 39162189
Interesse – reprodução da vida nas antigas colônias com móveis e aparelhos domésticos do século passado, mostra costumes dos imigrantes. A arquitetura também está baseada no estilo europeu de construção. Além dos aspectos de mobiliário e arquitetura há um lago, parque infantil e trilhas para caminhada.

Centro de informações Turísticas (2.002)
Localização – Rua Herbert Mercer N°300
Horário – segunda a sexta das 8h. às 11h.30 e das 13h. às 17h.30 horas e aos sábados, domingos e feriados das 9h. às 17h. Telefones: 0800-6431388 /(42) 3916-2150 / 3916-2149.
Interesse – atende não só o turista como propicia informações à população sobre as tradições, cultura e pontos de interesse de Tibagi, procurando fazer com que cada cidadão seja um receptivo do turista. No local funciona também o Espaço dos Conselhos Municipais.
Aberto de segunda a sexta das 8h. às 11h.30 e das 13h. às 17h.30 e aos sábados, domingos e feriados das 9h. às 17h. Telefones: 0800-6431388 /(42) 3916-2150 / 3916-2149.

Portal da Cidadeimg_1016
Localização – entrada da cidade de Tibagi
Interesse – arquitetura contemporânea em arcos, na sua parte superior foi feita parcialmente uma edificação que remete aos antigos casarões em madeira muito usado nas fazendas do século passado.

Associação Tibagiana de Artesanato
Localização – Alameda Antônio B Machado, 582 – Centro
Horário – segunda a sexta das 8h às 11h.30 e das 13h. às 17h.30, sábado e domingo das 9h. às 17h.
Interesse – bastante interessante a visita a associação, ali os artesãos trabalham e o turista pode observar a manipulação da lã de carneiro e operação de grandes teares. Outros produtos que podem ser encontrados ali são ponchos, mantas, peças de crochê, brinquedos artesanais. Um local que vale a pena conhecer, os tapetes de lã de carneiro são lindos.

OUTROS PASSEIOS EM TIBAGI
(Fora do Parque em propriedades particulares)

Trilha do Índio
Grau de dificuldade – fácil
Localização – ao lado do Parque Estadual Guartelá
Percurso – 4km.
Ponto de observação – pinturas rupestres e vista do cânion Guartelá.

Fenda do Nick (necessário guia)
Grau de dificuldade – intermediário
Localização – divisa das propriedades Slaviero e Salto da Cotia
Percurso – 1km. dentro da fenda.
Tempo de percurso – 3h.
Pontos de interesse – as fendas originadas de sutis movimentos tectônicos possuem aproximadamente 1,5m. São três lances, mas o último só é possível chegar com rapel. No primeiro trecho a caminhada é sobre solo úmido, um pequeno córrego formado pela água que escorre dos paredões de pedra com altura variando de 15 a 90m. de altura. A fenda se encontra subdividida em três partes com uma extensão de 1200 metros aproximados. Os dois primeiros lances têm uma extensão de 500metros, o terceiro lance com 700 metros de extensão e com largura média de 1.20m.

Salto da Cotia
Grau de dificuldade – fácil
Localização – esta em uma propriedade que faz limite com a Fenda do Nick
Percurso – 3 km.
Duração do percurso – 3h.
Ponto de interesse – cachoeira da Cotia com 40m., praia natural, poço para banho

Salto Santa Rosa – Bº. Barreiro, a 18km. de Tibagi.
Salto Puxa Nervos – Bº. Barreiro, a 18km. de Tibagi.
Trilha Salto das Andorinhas
Trilha Sítio Sete Quedas (trilha auto guiada)
Trilha do Apertado
Trilha das Camboas
Trilha do Lobisomem do Guartelá
Trilha da Maravilha
Trilha do Barreiro
Trilha da Cerca Velha
Trilha d Madrugada Guartelana
Trilha de aventura Morro do Jacaré – Bº. Barreiro, a 12km. da sede, estrada Salto Sta.Rosa e Puxa Nervos.
Recanto Ecológico da Dora – PR 340, km. 42 – Guartelá.
Recanto Marins – PR-340, Arroio das Capivaras, próximo a ponte do Rio Tibagi.
Recanto da Usina Velha (1.953), Balneário do Arroio da Ingrata
Ladeira do Paredão
Mirante do Eucalipto
Mato da Toca
Fazenda São Damázio –PR-340, a 4km. do Parque Estadual do Guartelá
Morro da Comuna – Bº. Barreiro, a 12km. da sede, estrada Salto Sta.Rosa e Puxa Nervos.
Casa do Nhô Guata (séc. XIX)
Sítio 7 Quedas – PR-340 a 20km. de Tibagi, perto do Parque Estadual do Guartelá.
Sítio Aguaraguazu
Sede da Fazenda Boa Vista (séc. XVII) – PR-340, km.32 a 10km. do Parque Estadual do Guartelá
Sede da Fazenda Fortaleza (1.775) – 25km. do centro de Tibagi.
Safari’s Farm – BR – 376, Rodovia do Café, km. 454.
Itáytyba Ecoturismo – BR-153, km.184,4, Estrada para Ventania.
Parque Vô Ivo – fazenda Sta. Lídia do Cercadinho.
Casa de Memórias Nhá Tota Aldeia dos Pioneiros Fazenda Ponte Alta, Rodovia BR-153, km 16, estrada Tibagi-Ventania

Origem do nome Guartelá
Existem diferentes versões sobre a origem do nome Guartelá. A mais corrente é aquela que conta que um morador da região de Tibagi, tendo conhecimento de um ataque de índios Kaingangues, mandou prevenir seu vizinho e compadre, dando pormenores sobre as manobras dos bugres e terminando com a advertência: “Guarda-te lá, que eu aqui bem fico”. A região, onde morava o vizinho e compadre, tomou o nome de Guartelá.
Antigos moradores contam que “havia ouro na região”. Então diziam: “guardem lá”; ou que os jesuítas teriam escondido ouro e era comum, entre os tropeiros, falar: “guarda-te-lá”.  Há quem diga que tudo é apenas especulação, mas que o verdadeiro sentido é em função da existência das “guardas” no porto de São Bento, no Rio Tibagi: “a guarda está lá, guarda tá lá, guarte-lá…
Dada a existência de algumas dificuldades em se caminhar em certos trechos, principalmente no canyon ou próximo a ele, a região já recebeu também o nome de “Amansa Louco”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s