Arquipélago Los Roques

 VENEZUELA- LOS ROQUES
 Los Roques National Park. Isla El Gran Roque.
 
Os valores descritos são para 2 pessoas e estão atualizados aos valores 09/2014.
Moeda – Bolívar Venezuelano = B$
Quando ir – o clima é bom o ano todo com temperatura média de 27ºC e quase não chove. Os furações passam longe. A alta temporada inclui os meses de julho, agosto e metade de setembro, além de feriados. Se gostar de lagosta vá entre dezembro  maio.
Visto – não ha necessidade, basta carteira de identidade com menos de 10 anos ou passaporte.
 Como chegar a Caracas – TAM, AVIANCA e GOL com vôos diretos São Paulo (GRU) x Caracas (CCS) Aeroporto Internacional Simon Bolívar em Maiquetía distante 33 km. de Caracas. Nem sempre os horários são compatíveis, se não conseguir voo sequencial terá de dormir na localidade de Marquetia.

·         Como chegar a Los Roques – os voos para Los Roques partem as 09h. e 15h.30 do aeroporto Higuerote, distante 120km. de Maiquetía. No valor do aéreo da Chapi Air já está incluído o traslado inn/out Maiquetía x Higuerote x Maiquetía.
RIGUEROTE X LOS ROQUES X RIGUEROTE = B$3.267,78 = U$520,00 = R$1.189,44.
Fomos pela Chapi Air, no aeroporto o balcão de informação existe, mas não tem identificação, no escritório da empresa nos informaram que haveria taxa de embarque e que após o check-inn seria necessário ficar observando a tela dos terminais, porque o embarque não tem local fixo, ao acaso descobrimos que era o portão número 4 e ficava no subsolo, quase perdemos o voo.

IMG_3044A avioneta que vai para Los Roques é um bi-motor para 8 passageiros, a viagem foi tranquila e durou 45’, o melhor local é ao lado esquerdo atrás do piloto. A visão do mar caribenho do alto é de cortar a respiração, água em vários tons de azul vão formando um incrível degradê. O aeroporto em Los Roques é pequeno e a cabeceira da pista fica junto ao mar. A cidade nos pareceu bastante simpática, cerca de 1.800 habitantes que vivem do turismo. Não há circulação de carros na ilha, a bagagem é levada para a pousada em carrinho de mão. Além da Chapi Air tem a Aerotuy(LTA), aviões maiores, mas sempre atrasam. Para qualquer das duas opções reserve com antecedência.
Para quem vai pernoitar em Caracas o Hotel Catimar está a 5’ do Aeroporto Internacional Simón Bolívar e a 30’ de Caracas. Hotel razoável só para uma noite e o entorno do hotel não inspira confiança. Tem bar e restaurante.

HOTEL CATIMAR – 1 DIÁRIA P/ 2 PESSOAS = B$456,61 = U$76,22 = R$166,25.

·                          Taxas em Gran Roque

                  (estão sempre com
            pequenas variações).  

  


TAXA AEROPORTUÁRIA NACIONAL B$27,50 = U$4,37 = R$9,99.

TAXA DE PRESERVAÇÃO PARQUE NACIONAL B$55,00 = U$8,73 = R$19,97.
TAXA PARA ESTRANGEIROS – B$155,00 = U$24,60 = R$56,28.

QUARTA-FEIRA.
Onde ficar – nossa escolha foi um pacote completo na Pousada Galeria La Corsária, fechamos pacote completo. Valores diferenciados para baixa e alta temporada.
 9 dias incluindo: diária, café da manhã, lanche da tarde, cooler(cava) para a navegação.
B$11.154,83 = U$1.775,06 = R$4.061,34. 
e o passeio no último dia em uma ilha perto da Gran Ilha com cava.
B$628,42 = U$100,00 = R$36,41

 
POUSADA GALERIA
LA CORSÁRIA
(antiga Pousada Sol y Luna), Localização – Calle de La Iglesia, 34, Los Roques National Park. Isla El Gran Roque.
Contato – Venebrasil do brasileiro Fabio Blinder
fone: (416) 9300.970
 
A Pousada fica ao lado da pracinha principal e distante apenas 50mts. da praia onde os barcos saem para os passeios. Nosso quarto era pequeno, tinha uma cama de casal, tudo muito limpo, banheiro em ordem, cofre, ar condicionado, wi-fi, decoração de bom gosto. Neste dia já fizemos nosso primeiro passeio até a Ilha de Francisky, esta é a ilha que fica para ser visitada no final ou no começo da estada, pois está a apenas 5’ de barco de Gran Roque. A diária inclui café da manhã, uma cava por dia contendo: 6 cervejas, 1 refrigeranteIMG_3230 gd., 1 água gde., 1 caixa de suco, fruta que na maioria dos dias foi melancia, lanche que variava entre um sanduíche de atum, salada de macarrão, salada de arroz, pão com presunto e queijo e salada de atum, na volta da praia um lanchinho básico e jantar. Se você não toma cerveja terá de pagá-las da mesma forma, não há negociação, é assim e pronto! acabamos distribuindo a cerveja pelos frequentadores da praia. O primeiro passeio estava incluído no pacote de hospedagem.
 PASSEIOS

FRANCISKY – ilha mais próxima de Gran Roque, 5’ minutos de navegação. A faixa de areia não é muito grande e no fundo há uma vegetação rasteira, alguns pequenos lagartos (guaripetes), sempre vão se aproximar das cavas tentando capturar algum farelo de alimento, por isso convém sempre deixar latas de cerveja, restos de comida e embalagens dentro da cava. Também estão por ali varias gaivotas a espera de algumas migalhas ou atacar algum cardume de peixes que esteja passando naquelas águas rasas.
Pela proximidade de Gran Roque e por possuir restaurante, é a mais movimentada do Arquipélago, ali se reúnem turistas que passam apenas um dia em Los Roques provenientes de Caracas e Isla Margarita. Mergulhe na piscina natural do outro lado da ilha, o local é ótimo para snorkel.     Francisky está formada por trêspequenas ilhotas ligadas por bancos de areia: Arriba, Médio e Abajo. Saímos às 11h. e retornamos às 17h., para o primeiro dia este horário é muito extenso, o melhor é voltar às 16h., à partir desse horário os mosquitos (puri puri) começam a ficar enlouquecidos.  A praia é linda, ótima para banho e mergulho de superfície, não oferece muita variedade de peixes, mas basta colocar o snorkel na água para vê-los. No primeiro dia nem dá para se preocupar muito com isso, estávamos encantadas com o azul e a transparência da água em um fundo de areia incrivelmente branco. Jantamos na pousada uma salada, pescado na grelha e sobremesa, a comida estava boa, com uma apresentação primorosa.

QUINTA FEIRA.
NORONKY + RABUKY + PALAFITO (por pessoa) =B$150,00=U$23,80= R$54,30.
NORONKY – 25’ de navegação, praia com possibilidade de visualizar tartarugas, mas como os barcos estão a todo momento chegando e saindo raramente elas se aproximam, bom para snorkel. Noronky se subdivide em três ilhas: a mais procurada é Noronky de Abajo com uma piscina natural, Noronky Del Medio praia grande mas selvagem, vegetação rasteira, água morna (26 graus em média), e tem também Noronky de Abajo, com tempo é possível transitar por estas ilhas, use nadadeira porque a correnteza é forte. Saímos de Noronky as 16h. e após navegar ½ hora chegamos a Palafito.

EL PALAFITO – palafita no meio do mar aberto, morada rústica de pescadores que é usada durante a época de pesca das lagostas. Fora de temporada a casa pode ser visitada pelos turistas. 
LAGOA RABUKY lagoa de água salgada para observação das estrelas do mar. A profundidade é entre 1m a 1,20m., como o barco não tem escada é necessário descer pela lateral, o que não é um problema, mas na hora de voltar para o barco, aí sim fica difícil subir sem apoio. Neste dia estávamos em 8 pessoas no barco e apenas 3 desceram, mas o piloto e seu auxiliar descem e retiram rapidamente as estrelas para serem fotografadas e devolvidas ao seu lugar. De El Palafito até Rabuki são 15’ de navegação.


Jantar na Pousada: fatias de berinjela na chapa, polvilhada com queijo ralado, lasanha, pão, água, vinho, refrigerante.

SEXTA FEIRA.
Dormimos cedo e logicamente acordamos cedo demais, 6h.30. Fomos dar uma caminhada, mas o sol já estava alto, voltamos e esperamos o café da manhã: suco de melancia, café, leite, chocolate, sucrilhos, aveia, margarina, geléia, arepa, bacon (alguns dias são servidos ovos mexidos). O passeio para este dia: Crasky.
CRASKY – B$120,00 = U$19,05 = R$43,45.
CRASKY – o nome é uma corruptela do inglês Crab Key (Ilha do Caranguejo), está a 30’ de Gran Roque, e faz parte das ilhas “com restaurante”. Lugar bastante agradável faixa de areia estreita.

Hoje os lagartos e os puri puris deram trégua. Fizemos uma caminhada até o final da ilha para encontrar o restaurante Juanita que era uma referência, mas neste dia não havia ceviche nem frutos do mar, apenas “pescado em la plancha”. Tínhamos a cava, mas queríamos comer algo mais típico. Passamos no Restaurante Don Lipe para fazer reserva, a informação era que o prato com salada e pescado sairia por B$150 e idem para o ceviche. Achamos muito caro e já estávamos saindo quando a dona do restaurante nos ofereceu um desconto, desde que trouxéssemos a salada da cava ela cobraria apenas B$100 cada prato.
Acertamos tudo para as 13h. A comida deixou a desejar, na hora de pagar ela disse que o pescado era B$100, mas o ceviche B$150 e ainda cobrou 10% de IVA. IVA????? Em uma ilha quase desabitada? Coisa de maluco!!!!! Pagamos, mas saímos dali aborrecidas, para quem for usar o Don Lipe o melhor é pagar na reserva, parece que o fato não aconteceu apenas conosco.
PESCADO – B$100,00 = U$15,87 = R$36,20.
CEVICHE – B$150,00 = U$23,80 = R$54,30.
Caminhando pelo lado direito da praia, até o seu final há uma trilha estreita que leva até o Cementério dos Botutos (caramujos), uma montanha de cascos de caramujos. O local é muito bom para prática de snorkel, trechos mais profundos com peixes maiores.
Andando mais um pouco há outro represamento de água, mais raso onde também é possível ver muitos peixes, mas particularmente preferi o local anterior, até porque para se chegar neste represamento é necessário percorrer um caminho de pedras escorregadias a melhor forma de chegar é com sapatilhas e não tínhamos levado.

SÁBADO.
CAYO DE ÁGUA e DOS MOSQUISES (p/ 2 pessoas) – B$200,00 = U$31,75 = R$72,40.
CAYO DE ÁGUA – A navegação é uma das mais longas, leva cerca de 1 hora, há uma parada para visita ao Projeto de Proteção as Tartarugas Marinhas. Cayo de Água possui umas das mais lindas praia do arquipélago.


Não há sombra, faixa de areia estreita, a água é de um azul intenso com blocos de recifes circundando toda a ilha. Um pequeno  istmo semi submerso une esta ilha a Punta de Coco, onde está um farol desativado, a passagem pelo banco de areia não é muito profunda e dá para atravessar até Punta de Coco e visitar o farol. O azul da água oferece tons variados desde o azul intenso, passando pelo anil e chegando a um azul claro e como se isso fosse pouco ainda há mesclas de um verde transparente. Ponto negativo: no lado opostoa praia recebe lixo que vem do continente é bastante suja, com resíduos em grande quantidade.
OS MOSQUISES – sede da Fundação Científica de Los Roques – Projeto de Proteção as Tartarugas Marinhas – as tartarugas bebê são tratas até atingirem 1 ½ kg., para então serem devolvidas ao mar. O local não conta com recursos como temos o Projeto Tamar aqui no Brasil, mas o empenho das pessoas é uma coisa emocionante.

Como o local não é grande acredito que devam fica ali somente algumas tartarugas selecionadas na ninhada. O valor da taxa de visitação é de B$10, mas quem quiser ajudar mais pode comprar alguns souvenires. Não é permitido tirar fotos com flash e nem pegar as tartarugas porque normalmente o turista vai estar com filtro solar nas mãos e isso pode trazer sérios problemas para as tartarugas.

TAXA DE VISITAÇÃO – B$10,00 = U$1,60 = R$3,62.
A volta foi tensa, o barco veio em alta velocidade se projetando sobre as ondas, o capitão e seus auxiliares haviam consumido bebida alcoólica e isso estava claro na postura deles em relação à segurança do barco. O clima estava tenso, os 8 brasileiros não estavam aprovando esta atitude, enquanto 4 turistas venezuelanos pareciam se divertir muito com o staff etílico. Quando chegamos na pousada relatamos o fato ao Fábio e ele disse ser essa atitude muito comum em Los Roques, insistimos que naquele barco não faríamos mais passeios e ele disse que falaria com o Dani, mediador dos passeios para que não nos colocasse mais com aquele capitão.

No jantar foi servida uma entrada de cenoura em lascas passada na manteiga e maçã flambada, prato principal peixe ao molho branco.

DOMINGO
Neste domingo optamos por não fazer passeio e permanecer na ilha, fazer caminhada e almoçar em um restaurante. Começou a chover concluímos que fizemos uma boa escolha. Tentamos a lan house, mas com a chuva a rede elétrica deu problemas faltou luz e a conexão caiu. A chuva parou e fomos almoçar no Anaquena, restaurante com uma localização agradável, com vista para o mar.

 

 

 

Observem que uma refeição vai custar o equivalente a um passeio de barco.

SALADA FRANGO e ALFACE – B$120,00=U$19,05 = R$43,45.
CEVICHE – B$150,00 = U$23,80 = R$54,30.

 

 

SEGUNDA FEIRA

CAYO VAPOR – R$130,00 = U$20,63 = R$47,06.

 

O dia amanheceu nublado, mas mesmo assim fechamos um passeio. Às 14h. o piloto veio nos buscar na ilha porque o vento estava se tornando forte e segundo ele iria chover. A viagem foi rápida, cerca de 15’. Parou de chover e aproveitamos o final da tarde para ver o por no sol no alto do farol.

 
 TERÇA FEIRA

 CAYO CARENERO e SARKY –
B$200,00 = U$31,75 = R$72,40.

CAYO CARENEROO local é razoável para snorkel.
Ficamos até às 14h.30 e depois fomos para Sarky.


SARKY – 
Achei a esta praia mais bonita do que Cayo Carenero, na chegada vimos algumas tartarugas, o local é interessante para snorkel, no lado direito há um braço de areia que avança para o mar, neste local dá para caminhar bastante com água até os tornozelos.

QUARTA FEIRA.
SEBASTOPOL, BOCA DE LOS LOBOS e CAYO LOS VIEJOS-B$200,00=U$31,75=R$72,40.
SEBASTOPOL – A navegação dura 40’ E é feita pelo lado externo da barreira de corais e por isso este passeio só é feito em dia sem vento, também é necessário um determinado número de pessoas interessadas para que o barco saia. Indispensável levar nadadeiras, tem correnteza, o local é excelente para snorkel, grande quantidade e variedade de cardumes, foi o local de águas mais transparentes que visitamos. A ilha não é habitada, não há vegetação, portanto o turista está livre dos inconvenientes lagartos e cachorros querendo sua cava.

 
BOCA DE LOS BOBOS – área de preservação ambiental em mangue, sem desembarque.
Ilha repleta de pássaros que estão ali para nidificar, não há praia, o barco circula pela ilha apenas para observação.
  
 
CAYO LOS VIEJOS – Praia minúscula, também sem vegetação, mas dentro da água há muitas plantas, o local é bastante raso e não dá para fazer snorkel, mas muito bom para terminar o passeio apenas relaxando na água rasa e morna.

QUINTA FEIRA.
Repetimos 2 praias e acrescentamos Isla Augustin.
NORONKY, AUGUSTIN e KRASCKY – B$215,00 = R$34,13 = R$78,37.
ISLA AUGUSTIN – esta ilha de pescadores não é muito divulgada, há um restaurante bastante simples, mas de comida excelente. Para almoçar lá é necessário reservar, mas o próprio piloto do barco faz isso, não há cardápio, no entanto não é difícil reservar uma lagosta. O comandante vai cobrar uma taxa extra para fazer o transporte, no nosso caso ficou em B$15,00 p/p, em nosso barco estava também um casal de espanhóis. O almoço foi: lagosta, 9 ostras, pargo, ceviche de caramujo e arepas. Divino! Levamos nossa bebida e salada que tínhamos na cava.

 

 
Chegamos em Gran Roque por volta das 17h., depois do banho fomos comprar algumas lembrancinhas, aliás em Gran Roque são bastante fracos os produtos artesanais.
 SEXTA FEIRA .
CAYO DE ÁGUAS, DOS MOSQUISES e ESPENKY – B$200,00 = U$31,75 = R$72,40.
Em nosso penúltimo dia tentei repetir Sebastopol, até fui atrás de um local para alugar nadadeiras, a ilha além de ser linda não tem lagartos, quando estava me preparando para a locação fui informada de que por causa dos ventos a excursão para Sebastopol não iria sair. A opção era Cayo de Água o que a princípio não me aborreceu, até chegar a ilha e ver que desta vez os lagartos estavam enlouquecidos, foi o dia que me senti mais incomodada, tivemos de comer em pé, porque bastava sentar e eles já vinham querendo subir em nossos pés, passei a maior parte do tempo na água ou em pé.
Passamos por Dos Mosquises (Projeto de Proteção as Tartarugas Marinhas), mas como não sabia que seria este o roteiro não levei dinheiro. A Paula foi reconhecida pelo coordenador e nos convidou a entrar gratuitamente, tinha pouco dinheiro, mas mesmo assim consegui comprar duas sacolas para ajudar o projeto. Depois da visita navegamos para Espenky.
ESPENKY – não é uma praia e sim um mangue transparente para se observar estrelas do mar, a exemplo do outro dia, como o barco não tem escada não pudemos descer até elas, mas o comandante do barco retirou algumas para fotos rápidas.

O comandante observou que uma estrela começava a flutuar e nos explicou que provavelmente ela havia ficado muito tempo fora da água e as ventosas perderam água e se encheram de ar. Delicadamente ele mergulhou a estrela do mar na água, foi apertando com muito cuidado as ventosas para que elas eliminassem o ar e se enchessem de água, feito esse processo ela foi depositada no fundo e ali ficou.
Nesta noite depois do jantar resolvemos dar uma volta pela ilha e encontramos um fato curioso: algumas pessoas sentadas em cadeiras estratégicamente colocadas pelo lado de fora das casas tomavam todo o quarteirão e jogavam uma espécie de bingo, onde os números são substituídos por animais e objetos. Uma senhora de voz possante vai retirando as pedras de uma sacolinha e diz o nome do elemento desenhado, todos marcam. Não sei como é o sistema, mas acredito que seja como o nosso bingo, ganha quem enche a cartela.

SÁBADO
MADRISKY e CAYO PIRATA – passeio incluso na diária da pousada.
MADRISKY – Nesta praia estão instaladas algumas casas de veraneio, a praia é um pouco mais larga boa para banho e do lado esquerdo dá para fazer snorkel, a correnteza é suave. Caminhando para o lado oposto avista-se Cayo Pirata, por um trecho de águas rasas e muitas pedras dá para chegar até lá por conta própria.
 
 CAYO PIRATA – no lado de acesso via Madrisky não é balneável, há um ancoradouro de barcos, casas de pescadores e alguns restaurantes.
Por volta das 13h.30 o barco veio nos buscar para levar até a pousada. Havia um pedido para que chegássemos ao aeroporto invariavelmente às 15h. (1 hora antes do vôo), a responsável só chegou às 15h.30, a Chapi Air não tem escritório, o atendimento é feito sobre um banco de madeira, ninguém obedece a fila, a partir desse horário saem os vôos e para quem precisa manter o horário e chegar a tempo em Caracas não pode ficar no final da fila, tem de ir entrando e já mostrando o passaporte porque eles não respeitam, quem consegue vai antes.
O vôo cobre 164km. e dura 45’
Chegando a Caracas nem saímos pelo portão de embarque, como não tínhamos bagagem em esteira fomos caminhando até o portão 11, neste local há uma escada rolante para o piso superior e lá em cima já estão placas indicando embarque internacional.

O Duty Free não vale a pena, ao contrário do que nos informaram os preços não são tão bons, eles colocam os preços em B$ bastante alto, além disso, a variedade de produtos não é grande. Para se ter uma idéia: caixa de chocolada Garoto – B$69,00 = U$10,89 = R$25,00.

DICAS:
Pousada Galeria La Corsária – Peça um quarto no piso superior, é mais tranqüilo e longe da cozinha;
Hospedagem – A opção de hospedagem completa é mais cômoda, mas não acredito ser a mais econômica. E embora nos tivessem dito o contrário, Gran Roque possui alguns pequenos mercados onde é possível fazer uma cava mais específica para cada gosto. Além disso, há a possibilidade de tomar refeições em locais diferentes, os restaurantes não são tão baratos, mas um lanche a noite fica mais econômico. Algumas ilhas tem restaurantes rústicos, pé no chão, também é uma boa opção para alguns dias, uma cerveja que custa 10 bolívares em Gran Roque vai custar 20 nos restaurantes das ilhas, no entanto, eles não se importam se você levar sua própria bebida e pedir apenas a comida;
Passeios – São contratados a noite na pousada, pode ser de meio dia ou dia todo em uma ilha, o capitão do barco e seu ajudante levam a cava, cadeira e guarda sol para a praia, já fica combinado o horário de volta;
Água – A ilha não tem fonte de água doce, a água utilizada é dessalinizada;
Repelente – os mosquitos não são muitos, mas pessoas sensíveis podem sentir-se incomodadas com os puri puris;
Bloqueador ou filtro solar – indispensável;
Calçado – havaianas para caminhar pelas ilhas, alguns trechos tem carrapicho. Leve também sapatilha para água;
Snorkel – leve o seu;
Nadadeiras – locação de 30 a 50 bolívares;
Sacola impermeável para a câmera e roupa que não queira molhar durante os passeios de barco;
Centro médico – excelente atendimento;

Fuso horário: a diferença para o Brasil é de 1h30m.;
Eletricidade: 110V, tomadas de dois pinos chatos. Alguns hotéis disponibilizam adaptadores;
Código telefônico de área: 237;
Comércio: Há uma farmácia, padaria, alguns restaurantes e bares, além das pousadas e umas poucas lojinhas de lembranças, mini mercado, depósito de bebidas, uma igreja e um banco. Também há feirinhas de artesanato em alguns dias.

Pontos Positivos

  • Tanto Salto Angel como Los Roques não nos decepcionou, as belezas naturais desses dois lugares valem a viagem até a Venezuela;
  • Los Roques apresenta um mar transparente com fantásticas nuances entre azul e verde. Local ideal para descanso e observação de belezas naturais, vivência de forma simples e confortável;
  • Gran Roque é uma vila agradável, ideal para quem quer descansar, ruas de areia, sem trânsito de carros, população amigável, não há necessidade de levar muita roupa;
  • Em todos os passeios a visibilidade para o uso de snorkel é excelente;
  • Projeto de preservação das tartarugas marinhas, local de batalhadores que não deve ter sua visita descartada;
  • Por do sol imperdível em frente a pousada;
  • Agilidade no atendimento e retorno da VENEBRASIL, por vias internet e telefone;
  • A cozinha da pousada tem uma localização estratégica onde se pode observar toda a preparação dos alimentos. São também pontos positivos: limpeza das acomodações, ar condicionado, wi-fi, disponibilidade de computador, conteúdo da cava suficiente;
  • Facilidade de contratação dos passeios na própria pousada a preços equivalentes ao mercado;
  • Fizemos uso do Centro Médico e fomos muito bem tratadas, atendimento rápido, inclusive com possibilidade de fornecimento de medicamento. Tudo gratuito.
  • Recepção no aeroporto também foi muito importante;  Pontos Negativos.
  • Nem todo paraíso é perfeito e Los Roques não foge a regra, o local é fantástico, mas ali estão os lagartos (guaripetes), pequenos, feios e por demais “domésticos”, se deixar uma lata de cerveja aberta na areia eles com certeza vão querer participar da festa, não deixe bolsa aberta, eles entram dentro para tentar achar algum petisco para acompanhar a cerveja, se as cavas não estiverem bem fechadas é certo que vai dar de cara com um deles remexendo lá dentro. Quando sentar pode apostar que eles vão escalar suas pernas. Por não ter um predador natural na ilha eles proliferam desordenadamente.

  • Não tão inconvenientes são os puri puris (pequenos mosquitos), o repelente nem sempre precisa ser utilizado, mas deve estar na sacola em todos os passeios, afinal não se sabe quando eles vão estar mais propensos a atacar.
    Vamos ao sistema das cavas fornecidas pela hospedagem: durante 10 dias pagamos 6 cervejas por dia = 60 unidades (consumimos apenas 2 unidades), e não tem como substituir ou abolir este item.
  • Em nosso contrato havia o serviço de “merenda após a praia” e durante 2 dias não foi oferecido e mesmo assim em pelo menos 3 deles não foram suficientes para os hóspedes.
  • Também havia a especificação de que no jantar haveria “prato forte a base de pescados e mariscos e 2 acompanhamentos”, tivemos pescados todos os dias, mas não houve serviço com mariscos e também os 2 acompanhamentos nem sempre fizeram parte do cardápio.
  • Apesar de ter sido enfática no quesito “camas separadas” fui informada que devido a lotação usaríamos cama de casal nos dias 19,20 e 21 quando então trocaríamos de quarto, no entanto ficamos em cama de casal até o dia 27. Como isso foi pactuado por telefone, fiquei sem comprovação do que foi combinado.

  • Entendemos perfeitamente a dificuldade de qualificação da mão de obra local, como por exemplo, a falta de observação de que durante 3 dias nossa cava (e dos demais hóspedes), foi suprida com melancia que já estava imprópria para o consumo.
  • No último dia chegamos da praia e não havia ninguém na pousada para nos orientar. Diferentemente de nossa chegada, desta vez tivemos de levar nossa bagagem até o aeroporto e perguntar em vários lugares aonde deveríamos nos posicionar para o embarque, quem era a pessoa que deveríamos procurar, qual a fila que deveríamos tomar. Apesar de sabermos que isto não é um “problema”, observamos que as demais pousadas disponibilizaram uma pessoa para assessorar o hóspede com o transporte da bagagem e orientação de embarque até o momento do voo. 
  • Não podemos deixar de lamentar o lixo em algumas ilhas, apesar da área de areia visível ao turista estar limpa, basta uma caminhada pelo entorno para perceber o descaso com lixo acumulado e pelo aspecto percebe-se que está ali há muito tempo.
    Faltam sanitários ecológicos nas praias, principalmente Francisky e Madrisky locais de maior fluxo de turistas.
  • Sistema de telecomunicação deficiente – são 2 locais com lan house e bastante caro. A tarifa telefônica é cobrada a partir do primeiro toque da chamada e não quando o telefone é atendido.

Arquipélago Los Roques.
Los Roques possui duas barreiras de corais (Leste de 24 km e Sul de 32 km), que protegem o arquipélago das correntes fortes. O arquipélago tem 40,61 km² de superfície, 1500 km² de arrecifes coralinos, 42 cayos de origem coralina que rodeiam uma lagoa central de 400 km² de águas pouco profundas e 300 bancos de areia, as ilhas e cayos vão desde uma considerável superfície, como Cayo Grande de 15,1 km² de extensão, até a Gran Roque que apesar de ser o mais povoado só tem 1,7 km²(170 hectares) de extensão.
No século XVIII, alguns pescadores e a Sociedade Mercantil Real Companhia Guipuzcoana estabelece-se na ilha. No século XIX tem início a exploração das salinas e do guano. Por volta de 1886, registra-se a chegada de habitantes vindos das Antilhas Holandesas – Aruba e Curaçao –, que deixaram como legado alguns dos nomes exóticos dados para algumas ilhas ou “cayos” (Francisquí, Madrisquí, Crasquí), o sufixo “quí” corresponde ao termo inglês (e de outros idiomas) “key”, que significa cayo. A inicio do século XX uma epidemia de peste bubônica em La Guaira fez fez com que o governo venezuelano utilizasse a ilha de Gran Roque como lugar de quarentena. A partir do ano de 1910, começa a consolidar-se o povoado do Gran Roque com famílias provenientes da Isla Margarita, sobretudo pescadores. Em 20 de julho de 1938, as ilhas são integradas às Dependências Federais da Venezuela, em 1972 o arquipélago é declarado Parque Nacional.

 

Endereço Oficiais na Venezuela

Embaixada do BRASIL em CARACAS-VENEZUELA.
Calle Los Chaguaramos con Av. Mohedano –  Centro Gerencial Mohedano. Piso 6.
La Castellana- Fone: (58-212) 918-6000 – brasembcaracas@cantv.net.
Horario de atención al público – Lunes a Viernes de 08:00 a 18:00 hrs.

Vice Consulado do Brasil – em Santa Helena de Uairen – VENEZUELA.
Calle Antonio Jose Sucre, 24 – Fone: (0xx5888) 95-1277 Fax: (00xx5888) 95-1256.
Email: vcshubrcg@cantv.net


GALERIA DE FOTOS

ILHA DE GRAN ROQUE


UM POUCO DO COMÉRCIO LOCAL

ARREDORES DE GRAN ROQUE
Cachorros com cara de pedinte:presença constante

PROJETO DE PROTEÇÃO AS TARTARUGAS MARINHAS

BRASILEIROS NA POUSADA
POR DO SOL EM FRENTE A POUSADA

 

Salto Angel

VENEZUELA – SALTO ANGEL

COMO CHEGAR A SALTO ANGEL
Ø  Caracas
Ø  Ciudad Bolivar ou Puerto Ordaz
Ø  Canaima
Ø  Salto Angel
A forma mais prática (porém não mais barata), é tomar um voo até Caracas e outro até Ciudad Bolivar ou Puerto Ordaz, nessas duas localidades é muito fácil encontrar Agências que façam o pacote até Salto Angel saindo em um voo com destino a Canaima. A empresa aérea que opera o trecho Caracas/Ciudad Bolívar é a Rutaca Airlines. Já para Puerto Ordaz em linha interna operam: Rutaca Airlines, Avior Airlines e Aeropostal.
– Aeroporto de Ciudad Bolívar – Tomás de Heres (CBL) – Avenia Jesús Soto, 8001 – Ciudad Bolívar – Telefone: +58(0)285 632 4978 / 951 8881.
– Aeropuerto de Puerto Ordaz – Manuel Carlos Piar Guayana (PZO) – Avenida Guayana – Telefone: +58(0)285 632 4803 / 632 4978 / 617 8233
A forma, mais barata é ir de ônibus saindo a noite de Caracas e indo até Ciudad Bolivar ou Puerto Ordaz, estando em um desses dois lugares é só procurar uma a gência que cuide do restante do passeio. Até o momento os bilhetes de ônibus não podem ser adquiridos via internet e há o risco de ao chegar no terminal de ônibus eles estarem esgotados, isto ocorrendo será necessário contatar alguma agência ou ir com antecedência e tentar comprar o bilhete do terminal e ônibus. A viagem dura entre 8 a 9h. e o ar condicionado do ônibus é extremamente frio. A melhor companhia é a Rodovias (www.rodovias.com.ve). Terminal Privado de Caracas.
Aeroexpresos Ejecutivos – Avenida Principal de Bello Campo, Quinta Marluz, Bello Campo, Chacao, Caracas – Telefones: Master (0212)266.23.21 / Fax:(0212)266.90.11. http://www.aeroexpresos.com.ve/
Para chegar até Salto Angel adquirimos um pacote pela PIÑERO TOUR.   A agência embora tenha um bom site não mostrou experiência na área de turismo, bastante amadora, tanto na assessoria quanto na preparação dos guias.
A hospedagem em Canaima foi ALOJAMENTO TIUNA
Piñero Tour
Urb. Santa Cecília, Calle Rojas Queipo nº.102-39
Valencia, Edo. Carabobo, Venezuela
Phones – teléfonos + 58 – 414-4157372 / 426 – 9482282 / 242 – 82448080

www.pinerotours.com.

 SÁBADO.
Vôo TAM de 6 horas entre SP / CARACAS.
Contratamos um transfer do aeroporto ao Hotel Catimar, não apareceu ninguém! Então fomos até o balcão de auxílio e descobrimos que a informação sobre o Hotel Catimar deveria ser tomada no balcão do Hotel Olé Caribe, ninguém havia nos informado deste detalhe.  Após uma espera apareceu a responsável pelo Hotel Catimar que nos conduziu até uma van com mais algumas pessoas, o grupo foi conduzido ao hotel, que fica em Maquetia, bairro isolado e aparentemente pouco seguro. No quarto, fazia muito calor e o ar condicionado não estava funcionando, reclamamos na recepção e fomos transferidas para outro quarto. O hotel é simples, limpo, mobiliário e roupa de cama antigas, mas bem conservada, chuveiro frio.

HOTEL CATIMAR
 Urbanización Puerto Viejo Av. Ppal.,
Catia La Mar  – Estado Vargas, Venezuela. 
www.hotelcatimar.com – contacto@hotelcatimar.com – 
Esta a 5 Kms do Aeropuerto Internacional
Simón Bolívar (Maiquetía) – 
Tlfs: (58)212-351.90.97 – 351.79.06 – 614.99.31 – 614.99.32. 
A opção é jantar no restaurante que fica no piso superior. Bom atendimento, prato bem servido, comida razoável, limpeza idem, vista para praia. Pedimos 2 saladas, uma Cesar (molho com excesso de maionese), e uma de abacate com palmito que estava um pouco melhor. Cerveja, refrigerante e água. Valores:
B$160,00
U$25,40
R$57,12
Pedimos para que nos acordassem 03h:30, haveria uma van no saguão do hotel para nos levar até o aeroporto em Marquetia.
DOMINGO
Chegamos cedo ao aeroporto de Caracas, todas as lanchonetes fechadas, a aeronave de 132 lugares que nos levaria até Puerto Ordaz saiu com meia hora de atraso. Em Puerto Ordaz soubemos que o voo para Canaima ainda iria demorar fomos procurar uma lanchonete. Se o hotel tiver café da manhã incluso, fornecem kit lanche em substituição, notamos alguns turistas com embalagens de lanches. Não foi o nosso caso! É uma boa opção, se levarmos em conta que a única lanchonete aberta no Aeroporto de Puerto Ordaz é bastante cara. Comemos: 2 emparedados (pão de forma, peito de peru, queijo, tomate, alface) 1 suco e 1 cappuccino, tudo por B$170, se levarmos em conta que na noite anterior havíamos jantado por B$160. O café da manhã foi extremamente caro.
B$170,00
U$26,98
R$60,69
IMG_3009
O aeroporto de Canaima é bastante rudimentar, a pista comporta apenas aviões de pequeno porte bi ou monomotores. O voo dura 50’ e ao desembarcar há uma guarita para pagamento da taxa de entrada ao Parque Nacional de Canaima de B$150 por pessoa.
B$150,00
U$23,81
R$53,55
 A área de desembarque é apenas um pátio, piso de cimento e cobertura de sapé onde alguns indígenas já bastante estilizados vendem seus produtos “quase artesanais, aqui se encontra desde repelente e filtro solar até sandália havaiana. Após pagamento da taxa saímos à procura do responsável pela Piñero Tour – Em Canaima as empresas não procuram pelo cliente, ele é que deve ir atrás da empresa – após a identificação o transporte é feito em uma camioneta aberta com bancos laterais de madeira.
A pousada Tiuna Tour é simples, a área de recepção apenas uma mesa colocada na varanda da casa. Nesta varanda estão distribuídas algumas redes, uma única mesa de refeições com bancos e no entorno estão o quartos..
IMG_3008
 
Logo que chegamos já fomos encaminhadas para a etapa seguinte. Nossas mochilas foram no trator e fomos caminhando para conhecer o salto, Cachoeira El Sapo e a lagoa Ucaíma até chegar ao cais de Puerto de Ucaima. 

As canoas (curiacas), que sobem para Salto Angel são de madeira, cavada em troncos de árvores, suportam motor de 45HP e levam mais um motor reserva. A princípio achei que todo o material e mais os turistas seriam divididos em duas canoas, mas não foi o que ocorreu, tudo em uma única canoa: 2 motores, 2 galões de combustível, caixas com suprimentos, água, 10 turistas (2 brasileiras, 1 francês, 1 neozelandesa, 1 holandesa, 5 japoneses), todas as mochilas embaladas em sacos de sanito,1 caixa de isopor com o almoço.

 




A subida leva aproximadamente 4h. em sentido contrário a corredeira, como um raftting ao contrário, o rio não é profundo, é rápido e as pedras pontiagudas ficam parte fora da água, que é limpa, mas não transparente o que faz a navegação muito difícil, durante todo o tempo com o forte impacto da canoa sobre o rio jatos de água são jogados para dentro da canoa e embora estivéssemos com capa de chuva acabou entrando água. Indispensável colocar em sacos plásticos dinheiro, documentos e máquina fotográfica.
Na metade do caminho a canoa aporta em uma ilha, todos descem e atravessam a ilha caminhando entre vegetação rasteira cerca de 20’, trajeto pelo rio é muito raso neste trecho, a canoa precisa estar mais leve e pega os turistas do outro lado da ilha. 

 
 
A viagem continua, de repente começam a ser servidas algumas “quentinhas”, imaginei que seria para o piloto, mas depois apareceram mais e mais e então percebi que seria nosso almoço, a água era jogada para dentro do barco a todo o momento e as tais quentinhas de macarrão com molho de sardinha não podiam ter a tampa retirada totalmente para não entrar água, o ideal é deixar apenas dobrada pela metade, a Sara (Nova Zelândia), retirou a tampa e sua macarronada ficou mais parecendo uma sopa de macarrão com sardinha.
Finalmente o acampamento e o fecho final. Ao tentar fazer a curva para aportar na praia a canoa acabou se desgovernando, inclinou para o lado e começou a entrar água. As pessoas começaram a sair rapidamente, ainda fiquei sentada achando que aquilo não era real, mas quando vi que a água já chegava ao banco da canoa tratei de levantar e sair  o mais rápido possível, os japoneses conseguiram tirar algumas mochilas, entre elas as nossas, mas outras assim como alimentos, água potável e coletes acabaram descendo rio abaixo. Os homens foram rapidamente pela margem e por sorte como muitas pedras estavam expostas as mochilas acabaram ficando enroscadas e foram resgatadas.IMG_2969
Coletes e calçados que estavam no fundo da canoa foram embora. Posso dizer que tivemos sorte, saímos ilesas e com nossas mochilas apenas com o fundo molhado, perdemos os chinelos, mas ainda tínhamos tênis e algumas peças secas além do cobertor da TAM para passar a noite na rede.O dinheiro ficou totalmente molhado, precisei usar a toalha para dispor as notas separadas a fim de que não secassem grudadas, dormi com a toalha “cofre” sob a cabeça, afinal ali estava toda nossa garantia de viagem, os passaportes ficaram levemente úmidos. Chovia e como já era noite não seria possível ir até o rio para tomar banho, compromisso abolido! As velas foram acessas no acampamento, enquanto o guia, capitão e ajudante faziam a janta cada um tentava descobrir algum local para colocar as roupas para secar. Pedimos água porque desde a saída de Canaima não tínhamos bebido nada, mas o guia informou que não havia água para tomar, se servisse ficaria sem água para o café da manhã do dia seguinte.  O jantar demorou porque eles ainda foram acender uma fogueira para assar o frango. Depois da espera comemos: arroz, ¼ de frango por pessoa, repolho refogado, 1 copo de suco e em seguida fomos dormir.

SEGUNDA-FEIRA


Fomos acordados às 4h. e sem tomar café da manhã, escovar os dentes ou mesmo lavar o rosto, fomos orientados para começar a caminhada pela trilha da floresta que nos levaria a Salto Angel. Estava bastante escuro e fizemos uso de lanternas, o guia ia muito rápido na frente e embora levasse 10 turistas em fila indiana, não havia nenh
um guia no final como precaução se algo ocorresse com os últimos da fila. A trilha oferece dificuldade pelos alagados e raízes expostas, além de muitas pedras. Logo no início já encharcamos os tênis ao atravessar um riacho, depois dele em um terreno alagadiço acabei tropeçando em uma raiz e caí sentada. Após 1h. caminhando começa uma trilha mais íngreme, com pedras mais altas, e um emaranhado de raízes, é necessário ir encaixando os pés para não cair, muitas folhas tornam o terreno escorregadio. Surge a primeira visão do Salto Angel, imenso, com o sol já nascendo, mais um pouco de caminhada e chegamos a uma grande pedra para observação daquele colosso.
A água cai vertiginosamente do Auyan-Tepui (Montanha do Diabo), fomos ainda agraciados por um arco íris atravessando a cachoeira, o dia estava claro, poucas nuvens e foi possível ver o salto em sua totalidade.
Tiramos muitas fotos, ficamos um bom tempo sentadas nas pedras observando a água despencar e ninguém mais se lembrou da canoa, banho, jantar.
 
Além da queda livre Salto Angel ainda oferece uma segunda queda d’água, não tínhamos sido avisados da possibilidade de entrar na água, muitos entraram de bermudas, a queda é forte e forma uma lagoa fria, mas agradável para se banhar. Voltamos para o acampamento após percorrer de forma mais tranqüila o trajeto de volta, já que o dia estava claro.
O café da manhã nos esperava: café, suco (moderado), arepas com queijo ralado meia cura, ovo mexido. Depois disso começamos a arrumar nossos pertences para voltar, as roupas ainda estavam molhadas.

Embarcamos na canoa e fizemos uma rápida parada para banho no Poço da Felicidade, 


mais um trecho de 3h. e chegamos a Canaima, fomos conduzidos em uma carreta puxada por um trator até a pousada para almoçar: arroz, carne com batata, berinjela frita e suco.

 TERÇA-FEIRA
Café da manhã: café, arepas, ovo e queijo ralado. Arrumamos as mochilas, pretendíamos fazer uma caminhada pela vila, mas começou a chover e acabamos ficando no alojamento. Por volta das 10h. fomos para o aeroporto. Nosso vôo estava previsto para 11h.30 com a Transmandu em avião bimotor, com destino a Puerto Ordaz, aonde tomaríamos outro voo para Caracas. Ao chegarmos ao aeroporto fomos informadas que nosso voo tinha sofrido as seguintes modificações: partida seria às 14h., em avião monomotor e o mais preocupante é que não mais iríamos para Puerto Ordaz e sim para Ciudad Bolívar. Consegui junto à operadora local uma forma de entrar em contato com a pessoa que nos vendeu o pacote, ele disse não ser isso motivo de preocupação, haveria um receptivo no aeroporto de Ciudad Bolivar para nos conduzir até Puerto Ordaz (incluindo um tour pela cidade). Resolvemos voltar para a pousada almoçar e voltar mais tarde para o embarque.
 Quando fomos embarcar observamos que o nosso avião era um monomotor que não apresentava sinais de mínima segurança, a porta balançava, aliás, ele todo balançava muito, achamos que nem iria decolar, ainda bem que não houve turbulência e com 45’ de voo parte dele sobrevoando o rio Orenoco chegamos a Ciudad Bolivar, aonde segundo nosso contato teríamos toda uma assessoria. Não foi assim!
Ao chegarmos a Ciudad Bolivar não havia o receptivo nos esperando nem qualquer responsável da Piñero Tour e ficamos aguardando em pé no saguão do aeroporto por 1h.30, quando então percebemos que as agências ali instaladas estavam fechando suas portas e ficaríamos ali sem solução nos dirigimos até a guarda local para que nos auxiliasse, após mais um período de espera e sem muita explicação surgiu um carro e o motorista nos disse que era da Piñero Tour e faria o transfer até Puerto Ordaz, tudo muito inseguro, ou seja: não havia uma placa de táxi no carro, não fomos orientadas pela Piñero Tour sobre quem iria fazer nosso transfer, não havia identificação no carro e nem no motorista. Quem era? Sem opção… Fomos!
Jantamos no aeroporto de Puerto Ordaz. Pedimos 2 saladas de atum (alface, tomate, pepino, milho, azeitona e atum), e 2 ice tea.
Quando chegamos a Caracas às 10h:30 da noite já sabíamos que não haveria receptivo, conseguimos identificar uma pessoa com camiseta da Piñereo Tour que já estava rodeada por turistas reclamando da demora para levar ao hotel Catimar, sendo que a maioria não estava com nome na listagem de hóspedes, inclusive o nosso. Após 1h. de espera o guia nos levou para o hotel, novo transtorno para tentar acomodar todos, como vimos que a coisa estava de difícil solução concordamos em ficar em uma cama de casal para que pudéssemos ir logo para o quarto. O ar condicionado estava com problema e tanto fazia regular no 16ºC como no 22ºC a temperatura era a mesma.
CONCLUSÃO: Amei a viagem! Recomendo para quem gosta de aventura. Somente encontrem uma agência mais profissional.
 
CANAIMA
Considerações sobre o local
Parque Nacional de Canaima, constituído em 1962 e declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, em 1994. Área de 30.000km2. (maior que a Bélgica), 6º. maior parque do mundo, faz fronteira com o Brasil e Guiana. Dentro deste parque estão os Tepuys e Salto Ángel.
Povoado de Canaima – é a parte mais ocidental do Parque Canaima, nele se encontra a Laguna Canaima.
Laguna Canaima – é o ponto de referência, a partir dela podem ser visitados os saltos: Hacha, Wadaima, Golondrina e Ucaima, tendo ao fundo vários tepuyes.
Tepuyes – Os tepuyes são mesetas (montanhas), com características inigualáveis, em que se destacam suas pareces verticais e seus cumes praticamente planos.  
Angel Falls, Salto Ángelou Cataratas Ángel (nome nativo Parekupa-meru- queda de água até o lugar mais profundo)  – Gerada pela queda do rio Churún é o mais alto salto do mundo, com 979 metros de altura em queda livre, antes da queda principal  a cachoeira tem 400 m de cascatas inclinadas, seguidas de uma queda menor de 30 metros. Só então a água despenca 807 metros a partir de um platô achatado conhecido como Auyan-Tepui (Montanha do Diabo).
Angel Falls é 15 vezes maior do que as Cataratas do Niágara. Seu nome é alusivo ao aviador estado-unidense James Crawford Angel. O Salto também foi colocado no filme animado Up – Altas Aventuras, que descreve o local do salto como o “Paraíso das Cachoeiras”.

Tem duas formas de ver o Salto Angel. Uma delas é em avioneta e a outra é em uma excursão que parte do porto Ucaima em Canaima. As canoas motorizadas chamadas de “curiaras” feitas pelos indígenas Pumóns de um só tronco da árvore “láureo”, algumas com mais de 600 anos, saem das margens do rio Carrao no Porto de Ucaima. Depois desta etapa vem uma noite de descanso em rede e no dia seguinte a caminhada através de uma trilha leva até a catarata, antes mesmo de avistar o Salto Angel já se ouve dentro da mata o barulho da água em queda.

IMG_2973

IMG_2964

IMG_2958

IMG_3003

IMG_2962

IMG_2985